Ransomware usa instalador de antivírus como disfarce para atacar arquivos

Uma nova variante do ransomware Dharma se faz passar por um instalador de antivírus enquanto criptografa os dados dos usuários. A nova praga, descoberta pelos especialistas da Trend Micro, chega por e-mail e utiliza métodos já conhecidos e comprovadamente eficazes, alertando um usuário sobre a possibilidade de comprometimento do Windows e indicando uma ferramenta para verificação.

A curiosidade ou a ingenuidade dos usuários é recompensada quando o arquivo executável anexado se faz passar pelo ESET AV Remover, uma ferramenta da empresa de segurança que limpa o sistema de instalações anteriores de softwares de segurança para que o próprio possa rodar sem problemas. Entretanto, o que o usuário acredita ser uma medida de proteção, na realidade, é exatamente o oposto, já que os arquivos do PC estão sendo criptografados em segundo plano, sem que ele perceba.

Uma vez que o processo é finalizado, o uso do computador é bloqueado e o usuário passa a ver apenas uma mensagem informando sobre o “sequestro”, que pede o contato por um e-mail e que a vítima informe um código, para que seja passado o valor em Bitcoins. Os criminosos apostam, mais uma vez, na ingenuidade, afirmando que o preço será menor quanto mais cedo for realizado o contato (de forma que o usuário não tente tomar outras medidas para resolver a questão) e afirmam até que um arquivo pode ser enviado para verificação de que a liberação de todos os outros será efetivamente feita.

O golpe não parece ter atuação direcionada, sendo disseminado aleatoriamente por e-mail, sem nenhum foco específico, como sistemas empresariais ou sensíveis. Outra prova disso é que nem mesmo um endereço direto de carteira de Bitcoin é enviado, o que indica um malware enviado de maneira randômica, com os criminosos atuando diretamente apenas junto às vítimas que “caírem” na rede.

A ESET confirmou o uso de sua aplicação nesta modalidade de ransomware e disse que, assim como o próprio software foi usado, qualquer outro poderia, uma vez que o executável é iniciado sem modificações, apenas acompanhado do malware em si. A empresa de segurança corroborou o relatório da Trend Micro e alertou seus usuários sobre o funcionamento da tentativa de ataque, que é comum entre quadrilhas que usam o ransomware como arma.

Sendo assim, é importante deixar claro que o pagamento não deve ser realizado em hipótese alguma, pois não há nenhuma garantia de que os arquivos serão efetivamente liberados após isso. No caso de uma execução equivocada do malware, o ideal é procurar ajuda especializada para possível liberação dos dados ou, então, executar uma formatação completa, aceitando o risco de perder tudo.

Por isso mesmo, o ideal é se prevenir. Jamais abra arquivos executáveis recebidos por e-mail e mensageiros instantâneos, mesmo que elas tenham vindo de serviços reconhecidos ou contatos próximos. Na dúvida, procure sites oficiais e serviços de atendimento para confirmar a necessidade de rodar os anexos e tenha sempre soluções de segurança ativas e atualizadas funcionando tanto no computador quanto no celular.

Referência: canaltech.com.br

Comments are closed.